Pery Saraiva Neto Advogados  © 2017  - Todos os direitos reservados.

+55 (48) 991331050

Av. Desembargador Vitor Lima, 260, sala 708 

Bairro Trindade - CEP 88040-400 Florianópolis/SC

  • face
  • in
  • you
  • ins

HÁ RISCO DE ANULAÇÃO DA ELEIÇÃO PRESIDENCIAL? A final, do que trata a impugnação de candidatura?

 

*** Acreditamos que a boa informação é fundamental para compreensão dos fatos, de modo que cada um faça suas próprias conclusões e escolhas.

*** Este texto tem caráter meramente informativo e não representa qualquer posicionamento político ou partidário de nossa equipe.


Ação de Impugnação Judicial Eleitoral (AIJE).

[Fonte: Glossário Eleitoral (http://www.tse.jus.br/eleitor/glossario)]

       A ação de investigação judicial eleitoral tem por objetivo impedir e apurar a prática de atos que possam afetar a igualdade dos candidatos em uma eleição nos casos de abuso do poder econômico, abuso do poder político ou de autoridade e utilização indevida dos meios de comunicação social, penalizando com a declaração de inelegibilidade quantos hajam contribuído para a prática do ato.

      Além disso, a LC nº 64/90 prevê que se a ação for julgada antes das eleições haverá a cassação do registro do candidato diretamente beneficiado pela infração e a determinação da remessa dos autos ao Ministério Público Eleitoral para as providências cabíveis. Já se a representação for julgada procedente após a eleição do candidato, serão remetidas cópias de todo o processo ao Ministério Público Eleitoral para ajuizamento de ação de impugnação de mandato eletivo e/ou recurso contra a expedição do diploma.

 

Abuso de Poder Econômico.

[Fonte: Glossário Eleitoral (http://www.tse.jus.br/eleitor/glossario)]

       O abuso do poder econômico em matéria eleitoral é a utilização excessiva, antes ou durante a campanha eleitoral, de recursos financeiros ou patrimoniais buscando beneficiar candidato, partido ou coligação, afetando, assim, a normalidade e a legitimidade das eleições.

      Por uso do poder econômico entende-se o emprego de dinheiro mediante as mais diversas técnicas, que vão desde a ajuda financeira, pura e simples, a partidos e candidatos, até a manipulação da opinião pública, da vontade dos eleitores, por meio da propaganda política subliminar, com a aparência de propaganda meramente comercial.

     O uso do poder econômico, quando feito por meio dos partidos e com obediência estrita à legislação, é lícito. O que o torna ilícito é o seu emprego fora do sistema legal, visando a vantagens eleitorais imediatas, com o fato de intervir no processo eleitoral, definindo os resultados de acordo com determinados interesses.

 

Doação de Pessoa Jurídica - Prática Proibida.

[Fonte: http://www.justicaeleitoral.jus.br/arquivos/tse-manual-de-prestacao-de-contas-das-eleicoes-2018]

    O partido político não poderá transferir para o candidato ou utilizar, direta ou indiretamente, nas campanhas eleitorais, recursos que tenham sido doados por pessoas jurídicas, ainda que em exercícios anteriores.

 

Utilização de perfis falsos para propaganda eleitoral. Uso indevido de meios de comunicação digital. Fake news. Compra irregular de cadastros de usuários.

[Fonte: http://www.justicaeleitoral.jus.br/arquivos/propaganda-eleitoral-na-internet]

         As regras para a propaganda eleitoral na Internet em 2018 também trouxeram três importantes dispositivos para garantir a lealdade nas campanhas eleitorais. O primeiro deles diz respeito ao combate aos já conhecidos perfis falsos (fakes) e proíbe a veiculação de conteúdos de cunho eleitoral por meio de cadastro em serviços on-line com a intenção de falsear identidade. Outro trata da restrição do impulsionamento de conteúdos eleitorais às ferramentas disponibilizadas pelos provedores de aplicação diretamente contratados. Com isso, é vedado o uso de outros dispositivos ou programas, tais como robôs, notoriamente conhecidos por distorcerem a repercussão de conteúdo. Por último, o que se refere ao uso do recurso de impulsionamento somente com a finalidade de promoção ou benefício dos próprios candidatos ou suas agremiações. Na prática, fica proibido o uso de impulsionamento para campanhas que visem somente denegrir a imagem de outros candidatos. Essa estratégia, tão utilizada nas eleições anteriores nos meios digitais, ficou conhecida entre os profissionais de marketing como “desconstrução de candidatura”.

 

LC nº 64/90 - Lei de Inelegibilidade.

[Fonte: Glossário Eleitoral (http://www.tse.jus.br/eleitor/glossario)]

       Lei Complementar nº 64, de 18/05/1990, que estabelece, de acordo com o art. 14 da Constituição Federal, casos de inelegibilidades, prazos de cessação, para proteger a normalidade e a legitimidade das eleições contra a influência do poder econômico e do abuso do exercício de função, cargo ou emprego na administração direta e indireta.

 

Inelegibilidade.

[Fonte: Glossário Eleitoral (http://www.tse.jus.br/eleitor/glossario)]

       A inelegibilidade importa no impedimento temporário da capacidade eleitoral passiva do cidadão, que consiste na restrição de ser votado, nas hipóteses previstas na LC nº 64/90 e na Constituição Federal, não atingindo, portanto, os demais direitos políticos, como, por exemplo, votar e participar de partidos políticos. 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Em Destaque

AVERBAÇÃO DE CARGAS NO SEGURO DE RC TRANSPORTADOR RODOVIÁRIO DE CARGAS

March 13, 2017

1/1
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Tags