REFORMA TRABALHISTA É APROVADA NO SENADO

Confira aqui o que muda na Lei

No dia de ontem, 11 de julho de 2017, o Senado aprovou o texto da reforma trabalhista. Para que vire lei, as novas regras dependem da sanção do presidente Michel Temer.

A reforma traz novas definições para algumas questões.

 

Confira abaixo as principais mudanças.

 

1. Férias: de acordo com a regra vigente, as férias de 30 dias podem ser fracionadas em até dois períodos, onde um deles não pode ser inferior a 10 dias. A nova regra prevê que as férias poderão ser parceladas em até três vezes, onde a maior precisa ter no mínimo 14 dias e as menores não podem ter menos de 5 dias.

2. Acordos e Leis: atualmente, a legislação prevalece sobre os acordos coletivos, firmados entre sindicatos, empregados e empregadores. Com a nova regra, algumas questões regulamentadas pela CLT poderão ser negociadas diretamente entre empregadores e empregados, tendo tal negociação prevalência sobre a lei.

3. Jornada de trabalho: a jornada de trabalho diária é de 8 horas, sendo 44 horas semanais e 220 horas mensais, podendo haver até 2 horas extras por dia. A nova regra prevê que a jornada diária poderá ser de 12 horas com 36 horas de descanso, permanecendo os limites de 44 horas semanais, ou 48 horas com as horas extras, e 220 horas mensais.

4. Justiça gratuita: a justiça gratuita, atualmente, é prevista para quem receber menos de dois salários mínimos ou declarar que não tem condições de arcar com as custas judiciais. Com a nova regra, a justiça gratuita passa a ser prevista para os que recebem menos de 40% do teto do INSS e a quem comprovar que não possui recursos.

5. Trabalho intermitente: a CLT não prevê este regime, apenas o regime parcial. Contudo, com a nova regra, passam a ser legais contratos por horas de serviço, onde o trabalhador contratado nesta modalidade passa a ter direitos trabalhistas.

6. Contribuição sindical: atualmente, todos os empregados têm descontado da folha de pagamento a contribuição sindical, sendo que é uma contribuição obrigatória, não importando se o empregado é sindicalizado ou não. Com a nova regra, a contribuição passa a ser facultativa, ou seja, pagará quem quiser.

7. Trabalho remoto: a CLT não regulamente o trabalho realizado em casa (home office). Contudo, com a nova regra, tal modalidade passa a compor a lei, prevendo negociações entre empregador e empregado quanto à responsabilidade sobre despesas relacionadas às funções.

8. Trabalho parcial: atualmente, é permitida jornada de até 25 horas semanais, sem hora extra. Com a nova regra, será permitida jornada de até 30 horas semanais, sem hora extra, ou até 26 horas semanais, com acréscimo de até 6 horas extras.

9. Gestante e lactante: a CLT prevê o afastamento da empregada gestante ou lactante de quaisquer atividades, operações ou locais insalubres. Com a nova regra, o afastamento da gestante apenas ocorrerá se as atividades forem consideradas insalubres em grau máximo. Durante a lactação, o afastamento das atividades insalubres em qualquer grau é condicionado a atestado de saúde.

10. Autônomo exclusivo: não é previsto na CLT. Já a nova regra cria a figura do autônomo exclusivo, o qual poderá prestar serviços para um único empregador de forma contínua, sem estabelecimento de vínculo.

11. Tempo na empresa: atualmente, a CLT prevê como tempo efetivo o período em que o empregado está à disposição do empregador, aguardando ou executando ordens. Com a nova regra, não serão consideradas como tempo efetivo as atividades no âmbito da empresa como descanso, estudo, alimentação, interação entre colegas, higiene pessoal e troca de uniforme.

12. Descanso: o empregado que exerce jornada de 8 horas diárias tem direito à, no mínimo, 1 hora e, no máximo, 2 horas de intervalo de repouso ou alimentação. Com base na nova regra, o intervalo poderá ser negociado, desde que tenha pelo menos 30 minutos. Se o empregador não conceder intervalo mínimo para almoço ou concedê-lo parcialmente, a indenização será de 50% do valor da hora normal de trabalho apenas sobre o tempo não concedido.

13. Remuneração: a regra atual prevê que a remuneração por produtividade não pode ser inferior à diária correspondente ao piso da categoria ou salário mínimo, integrando ao salário as comissões, gratificações, porcentagens, gorjetas e prêmios. Na nova regra, o pagamento do piso ou salário mínimo não será obrigatório na remuneração por produção, podendo o empregado e o empregador negociar todas as formas de remuneração, não precisando integrar ao salário.

14. Plano de cargos e salários: atualmente, o plano de cargos e salários precisa ser homologado pelo Ministério do Trabalho e constar no contrato de trabalho. Na nova regra, o plano de cargos e salários poderá ser negociado entre empregados e empregadores sem a necessidade de homologação pelo Ministério, nem registro no contrato de trabalho, podendo ser alterado constantemente.

15. Transporte: na regra atual, o tempo de deslocamento no transporte oferecido pela empresa para ir e vir do trabalho, cuja localidade seja de difícil acesso ou não servida de transporte público, é contabilizado como jornada de trabalho. Na nova regra, o referido tempo de deslocamento não será computado na jornada de trabalho, independentemente do meio de transporte.

16. Prazo de validade das normas coletivas: atualmente, as cláusulas dos acordos e convenções coletivas de trabalho integram os contratos individuais de trabalho e só podem ser modificadas ou suprimidas por novas negociações coletivas. Passado o período de vigência, permanecem valendo até que sejam feitos novos acordos ou convenções coletivas. Já na nova regra, o que for negociado não precisará ser incorporado ao contrato de trabalho. Os sindicatos e as empresas poderão dispor livremente sobre os prazos de validade dos acordos e convenções coletivas, bem como sobre a manutenção, ou não, dos direitos ali previstos quando expirados os períodos de vigência. E, em caso de expiração da validade, novas negociações terão de ser feitas.

17. Representação: a Constituição prevê a eleição de 1 representante dos empregados, que terá todos os direitos de um empregado comum e estabilidade de dois anos, nas empresas com mais de 200 empregados, não existindo regulamentação sobre isto. De acordo com a nova regra, os empregados poderão escolher 3 empregados que os representarão em empresas com, no mínimo, 200 empregados em negociações com os empregadores. Tais representantes não precisarão ser sindicalizados, ficando os Sindicatos como atuantes apenas nos acordos e convenções coletivas.

18. Demissão: na regra atual, se o empregado pede demissão ou é demitido por justa causa, ele não tem direito à multa de 40% sobre o saldo do FGTS, nem à retirada do fundo. Em relação ao aviso prévio, a empresa pode avisar o empregado sobre a demissão com 30 dias de antecedência ou pagar o salário referente ao mês sem que ele precise trabalhar. Na nova regra, o contrato de trabalho poderá ser extinto em comum acordo, com pagamento de metade do aviso prévio e metade da multa de 40% sobre o saldo do FGTS. O empregado poderá ainda movimentar até 80% do valor depositado pela empresa na conta do FGTS, mas não terá direito ao seguro desemprego.

19. Danos morais: atualmente, são os juízes que estipulam o valor nas ações judiciais envolvendo danos morais. Com a nova regra, limitações serão impostas ao valor a ser pleiteado pelo empregado, onde será estabelecido um teto para alguns pedidos de indenização. 

20. Terceirização: o presidente Michel Temer sancionou o projeto de lei que permite a terceirização para atividades-fim. Com a reforma trabalhista, haverá uma quarentena de 18 meses que impede que a empresa demita o empregado efetivo para recontratá-lo como terceirizado. O texto prevê ainda que o terceirizado deverá ter as mesmas condições de trabalho dos efetivos, como atendimento em ambulatório, alimentação, segurança, transporte, capacitação e qualidade de equipamentos.

21. Banco de horas: atualmente, o excesso de horas trabalhadas em um dia pode ser compensado em outro dia, desde que não exceda, no período máximo de um ano, à soma das jornadas semanais de trabalho previstas. Existe um limite de 10 horas diárias. Na nova regra, o banco de horas poderá ser pactuado por acordo individual escrito, desde que a compensação se realize no mesmo mês.

22. Rescisão contratual: atualmente, a homologação da rescisão contratual deve ser realizada em sindicatos. Com a nova regra, a homologação da rescisão poderá ser feita na empresa, na presença dos advogados do empregador e do empregado, tendo este direito à assistência do sindicato.

23. Multa: com a regra atual, a empresa está sujeita a multa de um salário mínimo regional por empregado não registrado, acrescido de igual valor em cada reincidência. Na nova regra, a multa será de R$3.000,00 por empregado, que cairá para R$800,00 para microempresas ou empresas de pequeno porte.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Em Destaque

AVERBAÇÃO DE CARGAS NO SEGURO DE RC TRANSPORTADOR RODOVIÁRIO DE CARGAS

March 13, 2017

1/1
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo